sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Tempo.


A vida tem me mostrado e usado contra mim, o que nesses 34 anos eu pensei que pudesse proteger-me, a confiança que sempre tive em tudo. Eu costumava acreditar nas pessoas, nas coisas que diziam, faziam e no afeto que demonstravam ter. Só que aos poucos, o tempo foi roubando essa ilusão e mostrando o outro lado da moeda.

Essa coisa de viver intensamente, de dar a cara a tapas, já me rendeu decepções, lágrimas e dor no coração. Infelizmente, chega uma hora que cansa, desanima, dá vontade de desistir do que há de melhor nesse mundo, as pessoas.

A comunhão, viver em harmonia, ver e ter pessoas por perto é essencial. Acredito que ninguém pretende passar o resto da vida sem um melhor amigo, um namorado, um afeto, sem saber o que é receber um carinho ou cafuné. E quem diz que é melhor andar só do que mal acompanhado, está mentindo, pois até a solidão serve de companhia na hora do desespero e do fracasso.

O tempo é o melhor remédio, cura. É o melhor professor também, pois ensina, mesmo que às vezes da pior forma, que sinceridade não encontramos somente em rostinhos bonitos. Que os venenos escorrem também das bocas mais atraentes. Ele (o bendito do tempo) esfrega na nossa cara, que qualquer pessoa é capaz de mentir, fingir e iludir. Qualquer uma, sem exceção e isso dói.

Você só descobre que ama ou que aprendeu a amar, quando consegue perdoar alguém sem nenhum orgulho, só com carinho, por prazer... Simplesmente por amor. E isso, muita das vezes, só o tempo é capaz de nos fornecer.
E saber amar é compreender que nem todo mundo irá fazer o mesmo que você. Que todos erram, enganam-se e se frustram. Amar não é nada simples. O amor avassala qualquer dor.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Cada instante vale muito.


Ainda existem pessoas que valem muito a pena, que são impagáveis, que possuem magia, que iluminam o ambiente e acendem o astral. Só de ficar perto, ouvir a voz, sentir o cheiro, olhar no olho, já fazem o nosso mundo (sim, vou incluir você nisso) mais feliz e melhor, e isso não tem preço.

Então eu quero mandar ir catar coquinho no deserto, todas as pessoas que não fazem o meu e o seu mundo algo melhor, e sim pior. Danem-se todos que gostam de ver a desgraça alheia.
Peguem suas vassouras e se engasguem com os seus próprios venenos, seus bruxos hipócritas.
Um beijo na testa e um abraço apertado para todas as pessoas que são realmente do bem, que gostam de ver a felicidade dos outros e que são amigas da verdade.
É mais vantajoso amar, gostar do próximo e desejar coisas boas... Isso faz bem para alma, faz bem para o coração, te faz amanhecer melhor e esbanjar vida para quem está do seu lado morto.


Tenho sentido necessidade de ser uma pessoa melhor e menos imprestável para esse mundão. Todo dia, vou aprender mais a falar menos da vida dos outros e prestar mais atenção nas minhas qualidades, o que trará como consequência, menos importância aos meus defeitos. Eu tenho vida de sobra, tanto para dar quanto para vender, preciso aproveitar tudo o que ela tem para me oferecer.

Atualmente, nesse inferno que a gente tem vivido, é necessário que haja desapego para tudo aquilo que não nos faz bem, que nos regride, que nos machuca, que não nos preenche. Chega de aceitar migalhas das pessoas, de aceitar a falta de respeito e a falta de carinho dando em troca o mesmo. Dê em troca o seu sorriso, pois não existe desprezo maior que uma resposta muito bem educada e superior.

É, eu estou desejando felicidade, amor, desapego e uma vida mais viva, cheia de paixão, tanto pra mim, quanto para você.
Liberte-se. Dê um UP na sua vida. Jogue fora o que não presta. Faça dieta de gente chata e medíocre. Mande ir tomar no... céu estrelado, talvez. Só não se contamine, jamais. Não retenha o mau, mas sim, o melhor para sua vida, sempreeeeee.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Amar é sentir falta e só matá-la quando digerir a presença.


"É estar junto há 24 horas e querer mais 24.
É querer o bem ao próximo, como a si mesmo.
É renovação de sentimento, tornando-o mais vivo e mais forte.
É aprender a compartilhar sentimento, fracasso, vitória.
É superação de ciúme, orgulho, inveja, insegurança.
É receber uma mensagem que diz o quanto alguém se importa.
É surpresa, carinho, beijinho, amasso.
É divisão de prazeres.
É se entregar sem limites.
É ter consciencia de que a dificuldade existe para todo mundo, que de provações ninguém está livre.
É saber que cada esforço é sempre muito bem recompensado.
É ter insônia por uma briga não resolvida ou mal resolvida.
É sentir que nem tudo está por um fio por conta de um desentendimento qualquer.
É sentir-se desamparado sem o tal alguém, uma vez que essa pessoa torna-se seu chão, seu teto, suas paredes, seu alicerce.
É sentir a dor quando dói no outro e desespero quando não se pode ajudar.
É ter culpa quando choram por você. A não ser que seja de alegria, aí chora-se junto.
É o sentimento de impotência quando o que se quer é transferir os problemas, traumas e tristezas do outro para sua própria vida e não poder. E no final o que resta é emprestar o ombro e dizer palavras que o conforte.
É ser importante junto, seja cá ou lá. Aqui ou alí. Em qualquer fase da vida.
É planejar ter filhos juntos.
É pensar no casamento e dizer: Sim, eu aceito - juntos.
É ir ao céu com a chegada e ao inferno com a despedida.
É sentir-se vulnerável.
É querer proteger a pessoa amada do mundo. Colocá-la no colo e carregá-la para sempre consigo.
É comprar a briga de quem se atrever. É Virar bicho, como o instinto de mãe protetora.
É fazer a frase tão famosa e tão clichê "até que a morte nos separe" valer a pena.

Só existe chama acesa e chama eterna, quando existe amor."

sábado, 10 de setembro de 2011

O cravo brigou com a rosa.




"Malu: Hoje, peguei-me olhando minha caxinha de lembranças. Sei que isso parece ridículo. Às vezes me pergunto como uma mulher de 35 anos ainda se pega olhando uma caixinha de lembranças.
Ela é linda. Formato coração rosa, é bem grande, sua tampa têm bolinhas brancas e a parte de baixo é coberta com palavras românticas.

Olhei para o último cartão arrependido que você me deu: "O cravo brigou com a rosa". Li, reli.
O anel eu coloquei, mas logo em seguida o tirei. E toda vez que olho a xícara colorida, lembro da nossa viagem para Veneza. Vejo o ingresso para o show da Ana Carolina, aquele que te forcei a ir. Olho nossa foto no rapel, no bondinho, na lagoa... E lembro do nosso amor produzindo mais amor.

E para variar, toda vez que essas lembranças me invadem, pego-me querendo você outra vez. Logo, olho para o celular que me faz lembrar que tantas vezes o respeito, não foi o que falou mais alto. Então pergunto baixinho, como se essa cena tivesse sido mil vezes ensaiada: Que tipo de amor é esse? Meu coração responde, só que em alto e bom som: Um único, não puro, mas cheio e cansado.

E agora você vem aqui bater na porta do meu apartamento, mentindo para o meu porteiro, dizendo que queria me fazer uma surpresa. Acredite, o que eu conheço de surpresas, isso que você está fazendo, passa longe. É bom que só assim, eu digo tudo que eu já estou cansada de ouvir de mim, só que para você.

Essa caixa por mais que eu queria, não é nem um pouco insignificante. Por mim, eu a jogaria na sua cara agora. Mas eu preciso dela pra de vez em quando jogar na minha. Pego meu celular novo que não tem o seu número velho e ouso lembrar, arrisco discar. Mas não o faço, como sempre.

Estou aqui de alma exposta para você, lhe pedindo de todo o meu coração que não volte mais. Eu te amo mas não te quero. Deixe-me aqui com a minha linda, fofa e mágica caixinha de papelão em formato de coração cor de rosa cheia de lembranças que um dia já me fizeram bem. Some!
Só quero me lembrar da sua respiração tão suave na minha nuca, dos seus dedos embolando o meu cabelo e o toque tão suave da sua boca na minha boca. Embora, isso lembre muito amor, hoje todo ele não é o suficiente para que você volte aqui por mais vezes e fique mentindo para o meu porteiro e iludindo qualquer coisa que sobrou.

Daniel a pegou pelos braços e disse baixinho: Você fala demais.
Preciso do seu amor e da sua segurança. Obrigado por tudo o que você é comigo e faz por mim. Eu não podia deixar de vir aqui e lhe dar um super abraço, minha deusa. Quero lhe agradecer por todas as noites em claro que você passou comigo me ajudando nos relatórios, dando-me toda atenção do mundo. Você foi, é fantástica. Eu fui promovido. Conseguimos, meu amor."

O amor é simples como um vendaval. Ele é aconchegante, mas muitas vezes consegue nos machucar. Ele é traiçoeiro, nos faz sentir saudade. O amor é fabuloso, com ele, conseguimos perdoar e continuar amando.



Yasmin Lopes.

domingo, 21 de agosto de 2011

Duas metades num coração

Já era bem tarde, o dia estava quase partindo, um nanômetro de segundo a mais e seus lábios se encontrariam. Como tudo entre eles é total sintonia, o beijo é a melhor parte de toda essa cumplicidade. Queriam poder acordar daquele pesadelo, parecia mais uma despedida o que serviu pra torná-los mais forte. O amor dele era tão grande que a fez chorar. E ela chorava por medo. Medo de não ser correspondida, de novamente sofrer.

Ele então pegou suas mãos e disse o que nenhum outro jamais havia dito e com aqueles olhinhos castanhos e um sorriso irresistível a fez a menina mais feliz do mundo e ao mesmo tempo a mais injusta também, quando de seu rosto uma lágrima escorreu. Incrivelmente ele também chorava. E o que só se ouvira era o barulho do silêncio.
Foi quando rosto com rosto, olhos nos olhos suas lágrimas se encontraram e os fizeram ter a certeza de que eram um só. Ele achara que ela mudara, ela não percebera, mas realmente mudara. Já ela achara que ele não a amava da mesma forma, e ele amara. Desencontros de idéias os levaram aquela linda situação.

Eles jamais imaginariam que chorar por amor seria uma das sensações mais incríveis do mundo.

Naquele momento sentiram que suas metades encontraram a outra metade que faltara e junto com elas a alegria maior, pois o encaixe era perfeito. Não havia rachaduras, nem cicatrizes, nem vestígios de nada que fosse antigo, eles estavam prontos para aquele amor, não sabiam, mas seus corações se preparam durante anos pra viver algo tão intenso.

Para ele era tudo novo mais ainda que pra ela. Seus corações se transformavam a cada nova experiência. Mas ainda assim palpitava, sobressaltava aceleradamente e se assustavam com um sentimento tão forte. Apesar de todo o amor sentiam-se vulneráveis como se tivessem 10 anos.

Ele disse que casaria-se com ela. Ela, que eles teriam lindos filhos. Imaginaram-se com família e juntos até a eternidade. Ela percebera mais do que nunca que devia aproveitar todos os instantes que estivessem juntos, cada instante em que dividissem o mesmo ar.

Ter sentido as suas mãos transpassarem sua nuca foi inexplicável, a respiração dele fazia cócegas em seu rosto, quem passasse e visse perceberia que os dois exalavam carinho e amor. A pressão do beijo dele a acalmava, o abraço forte dela o fazia ter certeza de que ela jamais o abandonaria. Ali por alguns instantes, sentiram-se como os únicos habitantes da Terra.

E então tudo ficou mais bonito, mais leve, mais sincero. Eternizariam aquele momento na cabeceira do criado mudo, o coração.

Deram o último beijo da noite. Enquanto ela olhava apaixonadamente, ele descera a rua, virara a esquina, mas em seus corações tinham a certeza de que se veriam no dia, na semana, no mês, no ano seguinte... E que assim seria pelo fim dos tempos.


domingo, 7 de agosto de 2011

Um amor de verão

Que merda não esqueço-me daquele dia...

Eu te olhando aqui de longe e você sabe, porque você também estava me olhando aí de longe. Estou com saudade daquele único dia que você foi meu por menos de 10 minutos. Seus olhinhos puxados, seu jeito inteligente, sua língua com gosto de pudim, o frio congelante e seus abraços disfarçados me esquentando. E aqueles seus abraços? Toda hora você chegava perto, era tão gostoso. Estou com saudade. Com saudade daquela minha liberdade, minha vaidade está gritando dentro de mim.

Não sai da minha cabeça o dia em que você tirou a blusa. Não sabia se via o jogo ou prestava atenção em mim e então disse: "Caralho, presta atenção na porra dessa bola." E depois olhou-me com o rosto mais lindo do mundo, dá um sorriso sem graça e eu reprovo o tal palavrão, dizendo: "Porra, dá pára de xingar?" E você riiiiiiiiii... Você riiiiiiiiiiiii tão deliciosamente. E eu sinto meu rosto queimar de vergonha por de repreender por algo e em seguida cometer o mesmo.

Mas então eu caio na real. Está escurecendo e uma das novas amigas diz:

"Vamos nos arrumar, todo mundo vai pra cidade mais tarde e ele vai estar lá."
Ele vai estar lá? Ele quem, camarãozinho?” (Ela tava mais vermelha que nariz de palhaço)
O Gustavo, palhaça. O Gustavo. Você pensa que ninguém está vendo essa troca de olhares... E quando vocês estavam na piscina, naquela hora do chuveiro que ele te segurou pra você não cair? E na hora do vôlei que ele te chamou pro time dele? E quando...”

“Tá chega... Só porque ele é um gato, têm o olhinho puxado, a barriga sexy e mãos com veias altas? AHHHHHH, pára! Nada a ver, Pri. A gente teve um "lance" ano passado, mas agora não. Nem rola, nem rola.” (Eu disse nem rola tantas vezes)
Nos arrumamos e saímos. A noite chegou, estou gatinha. Festa na cidade, carnaval, lugar de gente bonita.
Alguém chega por trás, ao pé do meu ouvido e diz o que eu já sabia: "Você está linda."
"Credo Gustavo, que susto."

“Desculpa não foi minha intensão.”

“Não, tudo bem. Você também está lindo.”

“Eu queria...” Dissemos os dois juntos. E em seguida sorrimos sem graça.

“Pode falar.” Eu disse.

Ele ficou meio sem jeito, vi em seus olhos que procurava as palavras certas e então lançou:

“É que... Bem... Eu estou apaixonado por você desde o dia em que te olhei diferente, e que imaginei que num futuro próximo poderíamos estar juntos. Quando vi você sorrindo feito criança naquele dia ensolarado na praia. Quando o que senti ao te ver me arrebatou, e isso nunca havia me acontecido.”

Eu naquele momento senti-me a menina mais sortuda daquele lugar, daquela noite de carnaval.

“Rapidamente lasquei-lhe um beijo como uma força de quase adentra-lo e então senti que eu era dele, que eu desde já o pertencia.”

“Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.”


Por: Ana Flávia e Yasmin Lopes

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Amor anônimo

Sim! Deus permite que pessoas maravilhosas entrem em nossas vidas pra que possam nos fazer mais felizes e que possam fortalecer e acrescentar nosso dia, seja com beijos, abraços, carinho, declarações ou desavenças. Chega um momento em que a gente cansa de ser forte. Que a gente só quer alguém pra deixar a vida um pouco mais doce. E foi então que Deus lhe mandou pra mim. E você deixou tudo mais simples, mais leve, mais gostoso, mais doce, mais sincero, mais humano. E eu gosto disso! Gosto desse lance de você comigo e eu contigo. Tudo bem eu me amo, e me sinto bem comigo. Mas tenho gostado mais de mim quando estou ao seu lado.

Mas do que nunca agora gosto mais das sextas, dos sábados e dos domingos, por que será?

Adoro! Adoro quando a tarde chega porque está perto da hora de você chegar. Adoro quando brigamos porque a reconciliação é a melhor parte. Adoro quando me chama de seu bebê olhando em meus olhos. Adoro e odeio a forma como esconde seus sentimentos de mim, agora sou eu quem te digo “ confia em mim, não te decepcionarei.” Adoro quando faz a barba e quando está de óculos, é que você fica incrivelmente irresistível. Adoro a forma como se sente a vontade na minha frente. Adoro também suas pintas e sua costa, rs.

Odeio! Odeio ter que te dividir. Odeio quando esquece ou deixa de me dizer o quanto gosta de mim, eu não duvido dos seus sentimentos, mas é que eu preciso ouvir todos os dias. Odeio quando não me faz carinho, quando me ignora, me deixa falando sozinha ou é bruto comigo. Mas ao mesmo tempo amo tudo isso.

A diferença é a pimenta da relação. Ninguém disse que seria fácil, e nunca é, apenas sabia que seria. E também, ninguém ama com bons modos.

Obrigada! Obrigada por cuidar de mim, por fazer-me apostar mais uma vez na parte bacana do tal do amor, por companheiro, e engraçado, por ser o que tem que ser na hora que não tem que ser, por ser sempre você. Obrigada por tudo que pensa em dizer mesmo quando não diz, mas da próxima vez diga, eu vou gostar de ouvir mesmo que seja ruim. Obrigada por toda sinceridade, carinho e dedicação.

Se preciso for pode vir colher sorrisos no quintal da minha alma. Abraço, carinho e afeto jamais lhe há de faltar. Empresto-lhe meu ombro e dias vitalícios de muito sorriso e pras bofetadas da vida serei teu remédio, porque namoro é também companheirismo e amizade. Caso uma lágrima te escorra dos olhos, as secarei e farei o que for preciso pra te fazer sorrir. Te farei me amar como se fosse a primeira vez todos os dias, e te conquistarei de mil formas diferentes, mil vezes se fosse preciso num único dia. Serei sempre sua confidente, sua amiga, companheira, sua amante, seu amor.

A felicidade chegou pra nós como músico na hora do show. Com pressa, mais se preciso pronto pra pausar e pousar por ali. E eu não estava sozinha, você estava comigo, do meu lado, e está. Fazendo-me enxergar que tudo dá pra ser melhor do que já é. Sinto que vai ser infinito. Mas caso não seja está sendo infinito pra mim, e agora! Não queria que fosse completo, novidade, loucura, desejo, momento, paixão barata, coisa rápida. Na verdade eu queria sim. Só que o que for que seja e aconteça que seja contigo, que seja sincero, que seja eterno, que seja amor. Quero-te por tempo integral, com muita hora extra e nenhum diazinho de folga se quer. Quero-te pelas manhas, pelas tardes, pelas noites, no almoço, no jantar. Quero-te por tempo indeterminado, melhor vitalício e só pra mim. Eu amo você!

terça-feira, 21 de junho de 2011

Pra ser... todo dia... mais meu.


"Pra já. Pra sempre. Pra nunca deixar de existir. Pra nunca deixar pro amanhã. Pra me matar de saudade. Pra ser meu sonho.
Pra ser só meu. Pra ser frescura. Pra ser prazer.
Pra ser minha a sua boca, a sua pele, o seu cheiro, a sua roupa, o seu beijo molhado, o seu abraço apertado, seu tempo sendo perdido fazendo com que eu ganhe o meu.

Faz minha voz tornar-se trêmula no momento em que eu ousar dizer que te adoro, que te quero por perto.
Acorde-me numa madrugada qualquer com um telefonema ou com o toque da campainha.
Sonha comigo.
Diz que está feliz, triste, cansado ou de saco cheio. Mas diz.
Cola, se amarra, se doa só pra mim e pros meus braços.
Surpreenda-me com flores bregas.
Seja cada dia mais, cada vez menos, cada dia nada, cada vez soma.

Crescer. Rir. Aprender. Ensinar. Tudo, tudo, tudo contigo.
Cria coragem e olha no meu olho.
Sussurra no meu ouvido.
Deita no meu colo.
Faz o mundo girar mais de pressa.
Eu tenho pressa.
Promete menos. Cumpre mais. Colore o meu dia. Ilumina meu sorriso. Faz meus olhos brilharem ao te ver. Minha barriga crescer.
Meu coração acelerar até quase querer sair da minha boca.

Sou sua rua, sua calçada.
Aproveita e pisa em mim... me varre, me seca.

Sou sua diva.
Aproveita e me beija, faz carinho, lava, cuida.

Aproveita também pra arrancar aqui de dentro todo nojo que sinto quando ouço falar sobre amor.
Quero aprender a sonhar. E mesmo que eu insista em ouvir meu coração, minha mente diz não. A razão, na minha vida, sempre falou mais alto. Ela nasceu com alto-falante. Contudo, não deixa minha mente nervosa tentar atropelar seu beijo tentando achar um possível defeito.
Faz-me ver, sentir, amar sentir, acreditar, em você, em mim, na gente, se descobrindo, se cobrindo, se achando, e conhecendo o que realmente é esse tal de amor.

Você pode ser tudo, contando que eu seja única.
E, vê se dá um jeito de me amar e de me ensinar a fazer o mesmo com você, mesmo que doa, mesmo que não seja sonho. Mesmo eu odiando tanto tanta realidade. Hein?

É isso, só isso, que eu quero... da gente."

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Duvido que não.


As suas mãos ficam mais carinhosas e combinam mais quando pegam no meu rosto.
E o meu riso perto de ti, torna-se a tal luz no fim do túnel, a leveza pro meu dia seguinte e uma serenidade que eu não preciso ter.
Concordar que o destino está direcionado para gente e que a sua solidão é muito melhor quando você está só... Só comigo? É fácil.

"Eu disse:
Não. Não precisa me olhar com esses olhos de ursinhos carinhosos.
Não. Não faz cócegas, eu detesto.
Não. Não precisa ser o que eu quero que você seja o tempo todo, mesmo eu não dizendo como quero que você seja.
Não. Não leia meus pensamentos.
Não. Não me beije assim, não me abraçe assim, não me queira assim. Tá, não me deixa ir.
Não. Não sussurre assim. Não me deixe com essa impressão de estar descobrindo sem querer que a gente valhe realmente alguma coisa.
Não. Já disse pra não beijar meus pés desta forma.
Não. Eu também já disse que te proíbo de me querer.
Não. Não quero você no meio das minhas coisas, muito menos dentro dos meus livros e das minhas ideias.
Não. Não quero te ver alimentando nossa inesgotável saudade e me fazendo te querer.
Não. Não quero respirar o mesmo ar que você.
Não. Não me venha com papos de amor. Estamos muito longe disso.
Não. Não pegue-me desse jeito no colo e nem tente me fazer dormir com esses cafunés.
Não. Não cuida bem de mim e pode economizar nos clichês.
Não. O meu ego nem é tão grande assim, nem o meu orgulho.
Não. Nem adianta. Eu não vou permitir que me conquiste. Não vá pensando que só porque tu tens a feição mais cômoda que já vi, vais conseguir me prender.
E não volte mais, fique onde estás, confesso que será mais confortável (...)(...)(...)

Tá certo, minha Deusa de Marfim. Te pego às 21:00 - ele disse."

segunda-feira, 23 de maio de 2011

O contrário dos opostos se atraem

Até pouco tempo não tinha contado de você a ninguém. Não contei porque já sabia de todo o discurso que me fariam, me pediriam muito cuidado e cautela. E elas têm razão. Assim vinha vivendo esses poucos e longos anos de vida e vejamos só até agora nunca havia passado por mim nenhum romance avassalador. Agia assim como fulga, pra manter comigo minhas metades, meus medos e decepções.

Até que alguém como você apareceu. Pode parecer clichê, forçado ou meloso feito pote de mel. Mas você chegou e ficou e pousou e criou casa, proteção, teto firme, aconchego. Trouxe carinho, presença, afeto e muito amor. E também toda vontade de me amar, e junto um misto de medo, receio, “vergonha”.

Gosto das suas pintas charmosas, do jeito como me olha, da forma como sussurra nos meus ouvidos que me ama. Gosto de você querer estar sempre comigo, de quando beija meu pescoço e eu resolvo retribuir. Gosto do teu jeito de menino/homem. Odeio quando não me liga, ou não manda sms, quando tenho que dividir você com outras coisas. Odeio quando me deixa falando sozinha, seja por qualquer motivo, quando diz que está com seus colegas quando na verdade está em meus braços, quando não confia em mim, quando se chateia comigo por pouca coisa, e permanecemos brigados por nada.

Dizem que os opostos de atraem. Eu já pratiquei essa teoria e não deu muito certo. Eu gosto mais daquela, o contrário dos opostos se atraem. Entenderam? Você é tão parecido comigo que chega a dar raiva. Mesmos gostos, manias, defeitos. Já ia me esquecendo, odeio você ser tão orgulhoso como eu, ser tão parecido como eu.

Eu sei que você tem medo, mas não fica assim porque eu também tenho. Só lhe peço que não me deixes faltar seus braços silenciosos, porque os meus estarão sempre aqui pra você. Digo-lhe com toda certeza que afeto jamais lhe faltará. E quando precisar pode vir colher sorrisos da minha alma. Conselhos, beijos, e declarações nunca lhe faltarão. Dessa vez será diferente pra nós, porque somos nós. Somos eu e você. O teu ser sempre foi conjunto do meu, era só uma questão de tempo pra podermos descobrir-nos. E que bom que isso já aconteceu.

“Muitas pessoas pousam, muitos amores possíveis não vingam, muitas paixões não dão certo. Choro, me culpo, me arrependo, permito, desisto, persigo, corro, dou as costas, piso, sinto saudade, me precipito, telefono, me atraso. Sim, no mundo existem mil pessoas capazes de nos despertar amor, se a gente parar pra sentir.” Mas não quero mas sentir vários, você já me basta.

Não gosto da angústia que fica quando chega a hora de você ir embora, em compensação adoro o gosto de quero mais que fica entre a gente. Mas fico impressionada de como você muda na hora de ir. Fica mais bonito, mais comovente, mais engraçado, mais tentador, mais charmoso, mais irresistível.

Eu te quero, na medida do possível e do impossível também.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Um fragmento a mais.


Escrever é excitante. Escrever é pensar em voz alta.
É como se em cada palavra colocada, ou uma frase concluída eu conseguisse ser mais eu do que o normal, mais forte e até mesmo mais sincera.
Desde o primeiro texto que fiz para esse blog, como sempre, os assuntos continuam sendo os mesmos.
Até porque não sou muito de inventar histórias, mas o que fazer se no final a minha verdade acaba se tornando uma?

"Homens.
Enquanto você pensa em chances, em como me agradar, em como me conhecer melhor ou como achar um jeito de me ganhar mais rápido, eu só penso em um modo mais simples de não me deixar levar por isso tudo.

Ter alguém pra dizer "eu te amo" a cada hora cravada no relógio, para algumas pessoas torna-se necessidade. Para mim é desespero. Até porque odeio clichês, e quando o excesso não vem de mim, sai fora, é desprezível. E eu desprezo.

Esses carinhas mentirosos que acham que estão fazendo tudo na hora certa, que fazem uso da superlotação de palavras exacerbadas e são do tipo "don't cry, I'm here", são um bando de babacas.
Não gosto de histórias, frases feitas, de coisas mal resolvidas e também não gosto de exagero. Prefiro um homem com atitudes e com um coração bem resolvido... Acho muito mais fofo, mais humano e mais proveitoso um homem que queira ter uma página no dia seguinte e não um que faça questão de simplesmente arrancá-la só porque não teve coragem de se envolver mais que duas semanas pouco vividas
."

Resolvi dar a minha opinião sobre o fragmento acima!
Talvez seja só maldade minha pensar isso tudo.
Tá certo, homens realmente mentem, essa é a verdade. Mas isso até que se apaixonem ou tenham o coração partido por nós, mulheres lindas e inteligentes.
Alguns desconhecem o significado da palavra amor, outros acham que é só mais um substantivo qualquer, assim como muitas mulheres também.
Mas pensa comigo: assim como "quase" todo ser que hoje aqui habita nesse planeta louco não tem feito questão de cuidar, nem de se preocupar consigo mesmo, que dirá se permitir fazer isso com/pelo próximo.
E isso pra mim é uma pena. (Espero que pra você também seja.)

quarta-feira, 11 de maio de 2011

"Fortes razões fazem fortes ações"



Ele me pegou pela mão e perguntou-me exatamente o que eu estava querendo, o que eu esperava dele. Decidida como sou, disse abertamente que centradas não fazem esse tipo de pergunta, geralmente elas agem. E com toda espontaneidade ele disse que não seria uma pessoa centrada, não naquele momento ali comigo, caso fosse preciso. Completou dizendo que quem brinca com fogo uma hora se queima. Aproximou-se rapidamente, como se conhecesse todos os meus trejeitos, como se soubesse de cor e salteado tudo o que deveria fazer para conseguir me prender/conquistar/ganhar.

“Se porventura eu me queimar com o tempo cicatriza, não tenho medo do fogo, nem de nada, a vida é um risco, onde o bom e o ruim vivem em oscilação”, respondi.

Ele é um típico cara chato que não aceita ser dispensado. Mas não do tipo que arruína meu dia, é daquele tipo que me deixa sem saída, do jeito que tem que ser, confesso. Sem saída, sem escapatória... Que me faz relutar e resistir um beijo na marra.

Não importa o gosto ácido que a vida faz questão de às vezes ter, importa o gosto que fica depois que você tem que ir embora. Minhas defesas caíram e isso não podia ter acontecido, não podia. Não agora, Não com você.

Alguma coisa aqui dentro de mim não esta me deixando fugir de você, de nós. Tem alguma coisa que vai contra o que realmente deveria ser.

Não sou dessas que precisa estar apaixonada a todo tempo, vivendo sempre em adrenalina, correndo muitos riscos... Tenho preguiça dessas coisas. Às vezes sinto que as minhas suprarrenais assim como eu, sentem preguiça de ficar produzindo tanta adrenalina.

Gosto mais do aconchego, do romântico, do discreto, do intimo. Dar pistas de felicidade atiça o olho gordo das pessoas. Inúmeras foram às vezes em que pus um fone para que pudesse ouvir o som estrondoso daminha felicidade, sem que atrapalhasse ou invejasse quem está de fora.

O amor quando é sincero e invejado e mal visto. Mas eu amo você e é o que importa. Isso basta, basta para mim, basta para nós.

Fortes razões fazem fortes ações... E que seja eternizado esse amor.

Por: Ana Flávia e Yasmin Lopes

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Diário de uma paixão



Querido,


Os acontecimentos dos últimos dias, semanas, do último mês, tem deixado-me meio embabacada (sintoma de paixão), se é que me entende.


Confesso que não dava nada por ti, nem se quer um minuto do dia para pensar em você, evitava sempre qualquer tipo de envolvimento ”sentimental” (reflexo de decepções anteriores), mas você com esse jeito gago de ser, foi me encantando e convencendo-me de apostar talvez quem sabe, mais uma vez na parte bacana do tal do amor. Aquele monstro de mil cabeças, que se pudesse eu viveria fugindo pro resto da vida, só para não ter que me deparar com o medo da perda de novo.


Dizem por aí que o pior cego é aquele que não quer enxergar, e mais do que nunca essa frase se fez presente na minha vida. Pessoas perguntam-me se gosto de toda essa situação de paparicação, mensagens, telefonemas, de você sentir a minha falta, de chamar-me de amor... E eu os enganando e tentando enganar-me também, dizia no início que era tudo normal, que todos faziam isso e que você seria só mais um e que logo me decepcionaria e me mostraria que eu como sempre estava certa.
Engraçado, já faz um tempo tudo isso e você até agora nada de me decepcionar. Que decepção em...


Gosto desse teu jeito prestativo, carinhoso, preocupado. Você é tão... tão você comigo. Adoro isso, adoro ainda mais essa história de você comigo e eu contigo. Adoro a desculpa que usou pra pedir meu número pela primeira vez. Adoro quando faz de tudo pra me ver. Adoro você me adorar tanto. Adoro-me muito mais ao teu lado do que ao lado que qualquer outro.


Tenho andado afim dos teus segredos, dos teus medos, dos teus gostos e sonhos. Tenho andado muito afim de você.


Coincidentemente e sem nenhum punhado de mentira ou invenção, a lua e as estrelas estão me dando um “oi” pela janela. Logo, ponho nossa música para tocar no mp3. E namorávamos e também conversávamos sobre você. Eu expus pra ela tudo que estou sentindo e como tenho andado feliz. Falei sobre as borboletas que você vinha fazendo ressurgir em meu estomago (mais um sintoma de paixão) e sobre a louca vontade de estar sempre perto de você pra nunca mais soltar, de chamar de meu. E ela parecia me entender, então eu ficava na esperança de que você estivesse falando comigo também e sentindo o mesmo aonde quer que estivesse.


Um dia desses você disse-me que eu era sua única, que jamais me deixaria só apesar de qualquer coisa. Disse também que seria pra sempre meu, para eu não me preocupar, porque jamais me decepcionaria. E eu acreditei!


Você não sabe, mas saiba agora que naquele momento era tudo o que eu precisava ouvir e ali como nenhum outro você me ganhou, pode ter certeza.


Boa noite!


De mim pra você.


sexta-feira, 22 de abril de 2011

Deveria ser...


Minhas defesas caíram e isso não podia ter acontecido. Não agora, não com você.
Tem alguma coisa aqui dentro que não está me deixando fugir de você. Tem alguma coisa aqui dentro que vai contra o que realmente deveria ser.
Sabe, não sou dessas que precisa estar apaixonada, vivendo sempre em adrenalina, correndo muitos riscos... Tenho preguiça dessas coisas. Às vezes sinto que as minhas supra-renais, assim como eu, sentem preguiça de ficar produzindo tanta adrenalina.

Mas é incrível como tem sempre algum intrometido pra nos encontrar no meio de mais de 10 milhões de pessoas, jurando que existe muita coisa boa a ser sentida e vivida a dois. Pessoas do tipo: desesperadas-a-viver-um-amor-verdadeiro-e-eterno.
Sei que às vezes pareço carrancuda, respondona, pirracenta e desconfiada... Mas vou te contar um segredo, é tudo escudo, tenho mania de viver na defensiva.

Desistir das pessoas é comigo mesma, com sentimentos que começam a me fazer mal, sou mais perversa ainda. O que não acrescenta, não faz bem, não merece a atenção de ninguém. Jogo pra escanteio, finjo que não vejo, esqueço mesmo!

Posso ouvir minha mãe dizer que se depois do almoço eu ficar pulando na piscina, posso ficar torta pra vida inteira. E eu sei que algum dia você vai me deixar pular essa regra, e aí eu serei feliz por um momento, vivendo um risquinho bobo... Mas tudo na vida tem uma consequencia, e a minha será ficar torta, seja porque pulei na piscina depois de comer, ou porque você não fez questão de me proteger.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Uma prova de amor (parte II)


CONTINUAÇÃO...

“Deixe-me terminar, por favor. Eu não me esqueci de todas as juras de amor que lhe fiz, ou dos nossos planos para o futuro. Dos nossos filhos, que nome por, nossa casa, nosso casamento... Não me esqueci de como superamos nossas diferenças e inseguranças. De como passamos por cima da rejeição e dos olhares de reprovação daqueles que se diziam nossos amigos. Não me esqueci das promessas que lhe fiz, e menos ainda da voz de abandonada com que me pediu para que eu jamais as quebrasse. Você não sabe como me dói ter que tomar essa decisão.”

Ele parou de falar quando foi interrompido pelos soluços incontroláveis. Sim! O amor de sua vida estava chorando e a culpa era toda sua.

“Não chore, por favor. Será melhor assim.”

“Você está jogando todos esses anos fora do nada e não quer que eu chore? Como assim vai ser melhor? Melhor pra quem? E todas as loucuras que cometi? Que cometemos? E todas as vezes que brigamos e que eu me odiei por isso? E as descobertas, e carinhos, e declarações de amor que gritávamos aos quatro ventos? Não pode ser. Surpreenda-me e diga que não é o que estou pensando. Por favor, meu amor.” Ela falou abraçando-o.

A cada meu amor que ela deixava escapar, era como uma facada que ele fincava em seu próprio coração. Afinal estava tudo acabado e ele ainda a amava, na verdade seu amor por ela era tão grande que uma vida era pouco pros dois.

“Eu não queria, juro. Mas sem perceber me apaixonei por outra pessoa. Sinto muito!” Ele murmurou esforçando-se para não voltar atrás na decisão.

Ela não acreditava, não podia ser verdade. Enquanto ele falava ela só sabia chorar e chorar. Chorava compulsivamente. Torturando-o sem saber.

“Mas eu te amo, amo muito. Você foi a melhor coisa que me aconteceu em todos esses anos. Você me protegeu e foi meu chão, é meu chão.” Ela falou quase implorando pra que ele desistisse da loucura que estava cometendo.

“Eu sei que vai ser difícil no começo, pra mim também, tenha certeza. Mas vamos ficar bem. Você me tornou um homem melhor, um homem bom. Aproximou-me de Deus, foi minha companheira, minha melhor amiga. Você foi a melhor parte de mim e sempre será.”

“E mesmo assim acha que está apaixonado por outra?” Ela ficava cada vez mais confusa. Se ele a amava tanto porque estava a abandonando? Não fazia sentido.

“Não me faça mais perguntas. Já disse que vai ser o melhor. Eu amo você, demais!”

Ele a abraçou, deu um último beijo, virou as costas e foi embora.

Sem que ela notasse ou ouvisse ele deixou uma lágrima escorrer. A única coisa que tinha vontade naquela hora, era de voltar e dizer toda a verdade.

Dizer que não estava apaixonado por nenhuma outra mulher, ela era única, era seu amor. E que na verdade descobrira a um mês atrás que estava com uma doença grave e que tinha pouco tempo de vida. Achou que seria a melhor provar de amor de pudesse dar.

Se sacrificar e deixar que ela recomeçasse e encontrasse um outro amor. Um novo amor.

terça-feira, 22 de março de 2011

Uma prova de amor (parte I)


O dia tava meio chuvoso e anubliado. E fazia alguns dias que eles completaram três anos e oito meses de namoro, sem nenhuma comemoração especial. Apenas um torpedo dele, mas ou menos as quatro e pouca da tarde:

“Estou muito feliz pelos nossos três anos e oito meses de namoro. Você me faz bem demais!” E uma outra dela as exatas meia noite e dois:

“A três anos e oito meses atrás eu dei o melhor beijo na melhor pessoa que poderia existir. Eu amo você meu amor. Parabéns pra nós!”

Como havia mandado primeiro, ficou apreensiva, dormiu agarrada ao telefone, e quando a bendita mensagem chegou, lá pela metade do dia, seus olhos se encheram de decepção, esperava mais muito mais... Algo estava mudando, ela sabia, e mesmo assim insistia em fingir que tudo estava bem.

“Ele deve estar cansado, desgastado do trabalho”, pensava ela.

Na mesma tarde daquele dia chuvoso ela liga pra ele. Queria fazer um convite pra assistir filme e comer pipoca, típico programa clichê de namorados. Mas que a correria do dia-a-dia estava deixando sumir.

Ela liga e o telefone chama, chama... Por fim quando já estava quase desistindo ele atende.

“Oi, meu bem!”

“Oi, querido! Saudades de você. Como esta?”

“Cansado, muito cansado.”

“Hum... Que tal nos vermos hoje?”

E por quase um minuto ela não ouviu nada do outro lado da linha além da respiração.

“Se importaria se nos víssemos outro dia? É que estou bem exausto. De verdade!”

“Não, tudo bem.” Ela disse com os olhos tomados de lágrimas, tentando disfarçar ao máximo a rouquidão e a voz chorosa que começava a se formar.

“Então está bem. Tenho que desligar agora, tenho muito trabalho por aqui. Beijo.”

Ela notara que desde que terminaram a faculdade e começaram realmente suas vidas profissionais se afastavam cada dia mais. Sentira que talvez já não tivesse mais tanta importância pra ele quanto ele pra ela. E isso a paralisou, a deixou gelada e com medo.

Quatro dias após o telefonema eles finalmente se encontraram e ela como era de se esperar demonstrou mais felicidade em estar matando a saudade dele do que ele por ela.

“Como senti sua falta.” Ela disse.

“Também senti a sua.” Ele retribuiu com a voz pouco convincente.

“O que está havendo com você? Com o nosso relacionamento? Você está mudado, meio ríspido. O que há? Me diz.”

Ele então ficou com o coração na mão. Sabia que naquele momento estava quebrando em pedacinhos o coração da moça pra quem um dia jurou amor eterno. E não sabia o porquê nem como dizer, só sabia que as circunstancias haviam mudado, isso era nítido. Podia não parecer, mas ele se culpava o tempo todo. Não acreditava como podia ter deixado aquilo acontecer. Era só o que sabia se perguntar nas últimas semanas.

“Querida, eu sei que nessas últimas semanas andei lhe magoando mais que nesses três anos e oito meses em que passamos juntos. Perdão! Eu estava tentando fazer você sentir um pouco que fosse de ódio de mim. Assim eu me sentiria menos canalha e tornaria mais fácil falar o que tenho pra te falar agora”.

“Amor, não...” Ela o interrompe.


CONTINUA ...

quinta-feira, 10 de março de 2011

Amor


Diga-me que está cansado, eu te espero.
Diga-me que nunca foi tão feliz, eu concordo.
Mande-me para o raio que o parta ou só peça pra que eu fique contigo.
Exploda, cuspa, desça, arrase. Ou só me abraçe.
Deixe-me te ver morrer de rir, chorar ou reclamar, só não me peça pra te deixar.
Grite ou fale baixinho, só não me esconda o rosto. Deixe-me irritada, alegre, triste, feliz, cansada, mas não me deixe de lado, nem me despreze, nunca.
Acompanharei teu gás ou o teu desanimo. Posso até te deixar por um minuto, mas nunca pra sempre.
A nossa presença, quer queira, quer não, sempre deixa o gostinho de quero mais. É bonito de se ver, é legal te ter, mas é mais maravilhoso poder te sentir. Vou e volto, durmo e acordo, tô sempre pensando em você.
Seu hálito de gente feliz me abrançando me deixa mais bonita. Minha imaginação nunca voaria tão alto, por isso nunca direi que você é quem eu sempre imaginei pra mim de uma outra forma.
O valor que você tem eu guardo bem escondidinho, que é pra ninguém ousar cobiçar tamanha honestidade.
Minha promessa muda, você só conseguirá ler se for esperto ao olhar o meu olhar quando olho pra você.
O amanhã pode ser uma desgraça, pode não ter mais você, pode não existir mais a gente. Então chega mais perto, me abrace, me beije, me deseje mais. Que aí eu faço o mesmo. Que aí a gente aproveita o que o agora tem reservado pra nós, sem se arrepender ou pensar no que poderíamos ter feito ou resgatado.
Vai parecer repetitivo, sem graça, clichê... Mas eu quando estou com você sou uma pessoa melhor. E o tal do amanhã a gente deixa pro dia seguinte. Mas o hoje não, com ele a gente faz o melhor que puder.

“Que o próximo corra milhas a mais que o anterior.”


Engraçada a vida não acham?

Às vezes pensamos ter encontrado o cara, ou a moça dos sonhos, nos entregamos e esquecemos plenamente que contos de fadas não existem. O tempo passa e o companheiro(a) faz questão que percebamos que é mais um(a). E novamente, tudo não passou de mais uma ilusão e de mais um aprendizado da vida.

Acrescentou-nos? Claro! Mas é passado. Amadureceu-nos? Claro! Mas é só passado. Deu-nos experiência? Claro! Mas agora não é nada mais que passado. Passou. Já é passado e o futuro está por vir. Mas que o novo alguém que esteja por vir faça diferente, seja diferente, haja diferente.

Que ele seja o oposto do que meu antigo "amor" foi um dia. Que ele me faça promessas realizáveis, me encha de planos que possam ser tornar reais num futuro não muito distante. Que ele me dê esperanças verdadeiras de que o amor existe e que com ele eu vou me apaixonar cada dia mais, ao ponto de aprisioná-lo em mim pra sempre, caso contrário terá sido como meu antigo “amor”.

Que ele me faça acreditar não só que me ama, mas que também sou única. Que ele consiga uma conquista diária de puro conhecimento entre nós com muito açúcar, amor, afeto e paixão, e que ele cumpra, senão de nada terá valido, terá sido como meu antigo “amor”. Que ele seja sincero comigo e com ele, em cada milésimo de tempo em que passarmos um ao lado do outro.

Que ele tenha gostos que possam encaixar-se nos meus, objetivos parecidos, que ele seja religioso, prestativo e leal. Senão terá sido como meu antigo “amor”. Que eu possa sentir por ele algo novo, nada igual ou semelhando ao que senti no passado.Que ele me apresente coisas novas, mundos, lugares, costumes e pessoas diferentes.

Que ele cobre menos, e faça mais. Que ele seja mais comportado, e inteligente, e divertido, e compreensivo. E Que ele me faça sentir borboletas no estômago mesmo após anos terem passado. Caso contrário lembrará meu antigo “amor”. E sabe aquelas milhas que o próximo terá que correr?!

Então... ele terá que percorrer-las antes de me ter. Para que ele dê valor ao esforço dele, caso queira mesmo me fazer todos esses mimos. E como não quero perder tempo, como perdi com os anteriores, crio esse obstáculo, e passará só quem realmente quer.

Então corra... Corra!

Por: Ana Flávia e Flavia Fernanda

sábado, 26 de fevereiro de 2011

O amor e suas mil fases.


É estranho quando as pessoas dizem que “é impossível ser feliz sozinho”. Eu sempre concordei muito com essa frase, mas analisando bem a fundo reparei que ela encaixa-se imperfeitamente para meu atual momento e de muitos eu imagino. Ou seja, é completamente contraditória.

É claro que existe aquela fase que você quer chameguinho, beijinho toda hora, filme com pipoca e edredom, dengo, um brilho a mais no olhar, alguém que você possa ligar, mandar mensagens, matar a saudade, que você possa chamar de seu e dizer que adora. Alguém que sinta sua falta e que diga o quanto você é de vital importância. Alguém que lhe faça a linda surpresa de mandar flores com um cartão romântico ao extremo. Que lhe encha de beijos pela manhã, e que lhe encha mais ainda pela noite.

Alguém que lhe ligue bem tarde da noite ou bem cedo da manhã pra preencher o teu sono com aquelas três lindas palavras, que toda mulher adora ouvir. Alguém que não vê à hora de lhe encontrar depois daquela semana corrida e tumultuada de trabalho, nem que seja só pra ouvir tua voz, olhar teus olhos, sentir teu carinho, teu afeto, tua presença. Alguém que lhe ampara, que lhe mima, chama de amorzinho, momo, mozinho, mozão, mo, love, amorzi, ou todo e qualquer derivado de amor que eu achava super cafona, mas admito já ter falado muito e adorar ouvir.

Alguém que faça do seu coração nu, um interino cheio de pano. Que costure os retalhos o deixando inteiro novinho em folha, customizando-o deixando pronto pra outra, no caso pra outro. Ao ponto de você não levar nada dos amores passados e deixar florescer um amor verdadeiro, curador, contagiante. Enfim... Alguém para colar com você.

Da mesma forma que passamos pelas fases obrigatórias da vida nascer, crescer, reproduzir, morrer. Passamos também por fases não obrigatórias, mas quase impossíveis de se evitar. Nascer, crescer, se encantar, trocar cartinha na época de colegial, gostar e trocar beijo no rosto e elogios, se apaixonar e trocar telefonemas, torpedos, beijos mais aproveitados, amar, e trocar presença, vida, dividir cama, casa, prato, toalha, banheira, problemas, até a morte.

E no meio dessa bagunça toda de sentimentos surge àquela fase em que você já viveu tudo isso e percebe o quão importante e gostosa todas elas são, mas que não são tão fundamentais assim. Que a vida sem amor de homem/mulher pode ser bem aproveitada (claro que por um tempo, ninguém vive sem amar) e muito bem vivida.

Tem os amigos, a família, os colegas, uns meninos legais, umas meninas interessantes. Sempre tem alguém tentando tirar a gente do vazio. Do vazio dos sentimentos, das inseguranças, dos medos, das decepções. Sempre tem alguém disposto a fazer diferente, a ser diferente, a fazer a diferença na sua vida. Alguém disposto a lhe mostrar sentimentos novos, momentos novos, metas novas. Sempre tem... Porque ninguém vive sozinho!

Afinal o amor não aparece para quem está de portas ou janelas fechadas, né?!

“A felicidade não entra em portas trancadas."

Deixa o amor entrar!

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Alguns motivos pela total fixação do homem pelas mulheres:


1- O cheirinho delas é sempre gostoso, mesmo que seja só xampu.

2- O jeitinho que elas têm de sempre encontrar o lugarzinho certo em nosso ombro, nosso peito.

3- A facilidade com a qual cabem em nossos braços.

4- O jeito que tem de nos beijar e, de repente, fazer o mundo ficar perfeito.

5- Como são encantadoras quando comem.

6- Elas levam horas para se vestir, mas no final vale a pena.

7- Porque estão sempre quentinhas, mesmo que esteja fazendo trinta graus abaixo de zero lá fora.

8- Como sempre ficam bonitas, mesmo de jeans com camiseta e rabo-de-cavalo.

9- Aquele jeitinho sutil de pedir um elogio.

10- Como ficam lindas quando discutem.

11- O modo que têm de sempre encontrar a nossa mão.

12- O brilho nos olhos quando sorriem.

13- Ouvir a mensagem delas na secretária eletrônica logo depois de uma briga horrível.

14- O jeito que têm de dizer "Não vamos brigar mais, não.."

15- A ternura com que nos beijam quando lhes fazemos uma delicadeza.

17- Pensando bem, só o modo de nos beijarem já basta.

18- O modo que têm de se atirar em nossos braços quando choram.

19- O jeito de pedir desculpas por terem chorado por alguma bobagem.

20- O fato de nos darem um tapa achando que vai doer.

21- O modo com que pedem perdão quando o tapa dói mesmo (embora jamais admitamos que doeu).

22- O jeitinho de dizerem "estou com saudades".

23- As saudades que sentimos delas.

24- A maneira que suas lágrimas têm de nos fazer querer mudar o mundo para que mais nada lhes cause dor.

(Arnaldo Jabor)

NÃO ADIANTA VOCÊS NÃO VIVEM SEM NÓS MULHERES!!!

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Dane-se!

Eu aqui mais uma vez com inseguranças que cismo em ter e transparecer/dividir/desabafar através desses meus textos autobriográficos ou fictícios com um pouco de verdade... Como preferirem "apelidar."
DANE-SE!
Isso. Desse jeito mesmo que optei por começar.

Dane-se você e o que você pensa. Dane-se se existe uma melhor, uma mais bonita ou com cabelos mais naturais. Cabelos do tipo 100 metros de distância e ainda assim conseguimos sentir o cheiro do mato. Dane-se se ela é mais calma, mais passiva e usa menos perfume. Dane-se se ela é a feminilidade em pessoa. Dane-se se ela te ouve numa discussão, se não se importa com o seu boné torto e se não faz questão de cenas de ciúme. Dane-se se ela é mais inteligente e esperta.

Dane-se se ela te liga nas madrugadas sem medo nenhum de te acordar. Dane-se se ela não se importa quando você se atrasa, que você não ligue, que você a esqueça nem que seja somente por um minuto. Dane-se que ela prefira você sem barba, que sempre concorde com o que você diga e que seja morena de cabelos lisos naturais, com aquele tal cheirinho de mato, lembra? Dane-se se quando eu ligo e você não atende é porque está falando com ela. Dane-se se você é mais carinhoso com ela do que era comigo. Dane-se o que seus amigos falam de mim, ou o que falam da gente.

Eu aqui, você aí... Com talvez sei lá quem, talvez até sem ninguém. São 01:53 e nos falamos praticamente o dia inteiro. Até que você falou aquelas “três palavras doces” bem famosas que eu temia tanto em ouvir. Please baby, NO! Não termine de falar, não quero sentir, não posso sentir, não é recíproco.

Comigo não é oito ou oitenta, é tudo junto e misturado. Ou é meio termo, ou é intensidade, ou é loucura, ou é cansativo, ou é deprimente, ou é muito carinho, ou é você sozinho. Eu quero sentir afeto, carinho impulsivo, vontade de cuidar, vontade de ligar. Mas quero que isso tudo também se dane.

Dane-se por um segundo, uma hora, um dia, dois dias, três dias, uma semana, um mês.

Mas continuo sendo pista vazia esperando aviões, até que alguém venha e... Pouse!


Por: Ana Flávia e Yasmin Lopes.